ABN - Agência Brasil de Notícias

MENU
BUSCAR
MENU
BUSCAR

Opinião




Mais do mesmo

O esforço de um cacique cansado de 'guerra'

Amazonino se mostrou cansado na forma física e com palavras repetidas fez discurso para convencer o eleitorado, durante anuncio de pré-candidatura

Por Filipe Vasconcelos, 10/05/2022 14:22

O evento que lançou a pré-candidatura de Amazonino Mendes ao governo do Amazonas no último sábado (10) confirma aquilo que a população amazonense vem se indagando desde que o “Negão” deu os primeiros sinais de disputar o pleito de 2022. Afinal, Amazonino ainda tem gás para uma nova campanha? E se for eleito para governar o estado pelos próximos quatro anos, Amazonino terá saúde para os desafios que vai enfrentar?

Sinais do tempo

Aos 82 anos de idade Amazonino se mostra cansado pelo seu comportamento, postura, e principalmente, discurso. Ele chegou ao Rancho Sertanejo naquela manhã sem passar pelos seus eleitores ou pela imprensa. Subiu ao palco pela entrada lateral do estabelecimento, e se manteve junto dos aliados de palanque. Quem esteve presente, teve a sensação de que ficar sentado junto dos lideres partidários, já era um esforço grande demais para Amazonino, que ao lado de um formal e etiquetado Arthur Neto, estava quase jogado na cadeira. A própria voz do político parecia fraca, mesmo amplificada pelo microfone.

Carícias em Arthur

A fala do pré-candidato se mostrou tão cansada quanto sua postura. O discurso não trouxe nada novo pra quem vem acompanhando as eleições nos último 20 anos. Amazonino Mendes ainda se prende ao passado, como se governar o Amazonas de 2022 fosse igual a governar um Estado em plena década de 90. O político apenas fala o que a população quer ouvir, e não o que deve ser dito. Em eventos desse porte, quem está presente quer ver sangue, e nesse caso, falo do sangue do candidato adversário, e isso Amazonino fez bem. Dos 20 minutos que falou para os presentes, as principais pautas abordadas por Mendes foram caricias em seu novo aliado político (Arthur Neto), a promessa de mudar o Amazonas, sem nenhuma proposta pra isso, e por fim, atacar o atual governador do estado.

Do mesmo jeito que entrou

Ao fim, Amazonino saiu do mesmo jeito que entrou; sem ser visto e pela tangente, provavelmente evitando responder aos jornalistas presentes questões incômodas, como a rachadura dentro de um partido aliado onde alguns membros não desejam vê-lo como candidato, entre eles o senador pelo Amazonas, Plínio Valério. Parece que responder perguntas e demonstrar a fraqueza da saúde não é interessante. E sim, Amazonino está muito longe da boa forma que conhecemos em anos anteriores, e isso é muito preocupante para um homem que deseja governar um estado tão grande como o Amazonas.

Discurso que não se aplica

No geral, o discurso de “Nem sempre a pessoa idosa é velha nas ideias” vociferado por Amazonino não se aplica a ele, uma vez que ele não mostrou nenhuma ideia ou prática nova dentro da política atual. Se me perguntassem, eu diria que Amazonino Mendes não impõem a postura de um homem que, nas palavras de Arthur Neto, “Amazonino é o nome certo para tirar o Amazonas da crise”.

ABN - Agência Brasil de Notícias

© Copyright 2022 ABN - Agência Brasil de Notícias.

Nome completo

E-mail

Assine nossa newsletter e receba em seu e-mail nossas notícias em seu e-mail em tempo real.

Faça sua busca em nosso banco de notícias

Nome

Aguarde carregando...

Aguarde, carregando o sistema...

0%

Cadastre-se

Nome completo ou nome da empresa

E-mail

CPF ou CNPJ

Telefone fixo

Celular

Senha


Esqueci Minha Senha

Voltar ao login


Formulário de contato

Nome

E-mail

Telefone ou celular

Texto